Análise de Hell Architect, literalmente o inferno em suas mãos

0
410

 

Para quem curte jogos de simulador de gerenciamento, como The Sims, Two Point Hospital e Second Life, tenho quase certeza que vai adora Hell Architect. Pois nada mais e nada menos que jogo que terá que gerenciar o inferno. Isso mesmo, você será o capiroto e terá que gerenciar os castigos e tortura dos pecadores em uma pegada estilo desenho animado, mas dependendo do ponto de vista, não será tão cômico assim.

 

 

O jogo foi desenvolvido pela Woodland Games e distribuído pela Leonardo Interactive e PlayWay, e foi lançado no dia 18 de agosto para PC via Steam.

 

Logo de cara já se percebe que o jogo tem um humor ácido, então para quem não gosta deste gênero, não busque jogar! Mas para quem leva numa boa este tipo de humor que víamos bastante nos anos 90 e 2000 na antiga MTV Brasil e sabe que é somente um jogo e que o inferno pode ser um paraíso na diversão, bora prosseguir.

 

Hell Architect coloca o jogador para gerenciar o inferno, criar e expandir as construções para receber cada vez mais pecadores. Além disso, é possível desbloquear personagens lendários com habilidades únicas, que vão facilitar na expansão e a evolução no jogo. O jogador irá encontrar 9 níveis no modo campanha, que será desafiador na tarefa de expandir e também na criatividade de recursos que irá desenvolver. Já no modo sandbox é possível construir sem limites, já que o jogador começará do zero e não terá limites de expansão (como se diz o ditado “o céu será o limite”, aqui o inferno que não tem limites). Embora esse novo trabalho seja jogado no colo do jogador da maneira mais corporativa que você possa imaginar, há uma história subjacente no Prólogo: Lúcifer foi para o céu e ficou com inveja de todas as belas estátuas que existem na cidade de prata.

 

 

Então, mesmo que você seja “o cara novo”, seus superiores no Inferno, chamados Frank e Lilith, deixam para você concluir o mais recente projeto de vaidade do capiroto de construir uma estátua de si mesmo. A estátua, é claro, não se parece em nada com a realidade deformada, curvada e cheia de verrugas, mas isso não é nem aqui nem lá. Então, com a ajuda de um assistente, chamado Bob, você começa a comandar seus pecadores para desenterrar recursos que podem ser encontrados no inferno que está gerenciando. Os três recursos de que você precisa para qualquer coisa são Sujeira, Carvão e Metal.

 

Você precisa de um ou mais desses elementos para construir qualquer coisa em seu inferno. Além disso, as peças ou equipamentos de tortura mais avançados exigem sofrimento, e é aí que reside a dificuldade do jogo. O prólogo termina quando você terminar a estátua de Lúcifer, embora você possa continuar jogando no inferno depois que a estátua for concluída.

 

 

Embora não pareça haver nenhum efeito ambiental em onde você escolhe colocar uma estrutura, além de a área estar ou não iluminada ou não, é divertido explorar seu pequeno inferno e mapear em sua cabeça onde você deseja instalar uma Sala de Tortura, uma Cozinha, os Banheiros ou os quartos de dormir. Ou você também tem a opção de criar algo caótico e ter uma caixa de papelão para alguém dormir ao lado da latrina, o que poderia ser uma tortura adicional em sua cabeça, mas realmente não parece afetar o pecador ou criar mais Sofrimento. Portanto, esse pode ser um ponto discutível.

 

Para começar o jogo, cavar é fundamental, pois sua necessidade de alcançar os recursos mais valiosos (carvão e metal) e a sujeira é de alguma forma usada para construir as primeiras estruturas em seu inferno, como uma escada simples e plataformas para seus pecadores andarem. Qualquer outra coisa que seja mais complexa do que isso exigirá uma combinação de sujeira, metal e carvão, embora nem sempre os três. Você pode clicar na opção cavar com o mouse ou usar o X do teclado para entrar no menu cavar e clicar nos quadrados que deseja que seus pecadores cavem. Não ficou imediatamente óbvio para mim, mas você também pode clicar e arrastar para selecionar vários quadrados de uma vez.

 

 

O jogador precisa que os pecadores façam tudo, você pode simplesmente dar ordens para que eles sigam. Isso adiciona um tom um pouco sádico ao jogo, com toda a vibração de “cave sua própria cova”, exceto que os pecadores estão construindo seus próprios dispositivos de tortura e estão gerando seu próprio sofrimento em uma experiência deliciosamente infernal.

 

Todos os pecadores têm diferentes níveis de habilidade quando se trata de cozinhar alimentos nojentos ou preparar a horrível água suja. Pelo que eu vi, essas habilidades variam de 1 a 3. Se você tiver um pecador com nível de habilidade de cozinhar 2, ele gerará 10 unidades de comida em cada ciclo. Se você tiver um pecador com habilidade culinária nível 3, ele gerará 15 unidades. Esta é uma mecânica muito explorável quando você atinge um certo ponto do jogo.

 

 

Da mesma forma, os pecadores têm um pecado específico pelo qual foram enviados para o Inferno, que afetará como eles podem ser usados ​​de forma mais eficaz. Alguns pecados farão com que a sanidade diminua mais rapidamente em certas condições ou fariam com que o pecador trabalhasse mais devagar. Alguns pecadores são mais adequados para torturar do que outros, assim como alguns serão mais úteis para cozinhar ou preparar cerveja do que outros. Certamente há um elemento estratégico no jogo, mesmo que seja insuficiente.

 

Cada pecador também tem 5 características que você precisa para fornecer alívio para: Fome, Bebida, Fadiga, Bexiga e Sanidade. O jogo permite que você crie amenidades para que seus pecadores satisfaçam cada uma dessas necessidades. Você precisará usar os pecadores para operar algumas dessas amenidades. Um precisa operar o espremedor de água para gerar algo para beber (vou deixar você descobrir o que está sendo espremido para essa água), e outro precisará cozinhar a carne com cheiro ruim para aumentar seu suprimento de comida, para citar alguns.

 

 

Além dos recursos básicos que você consegue cavando, você precisa de comida e bebida para que os pecadores não morram ou enlouqueçam. Se você perder seu pecador, poderá recuperá-lo do Limbo se tiver sofrimento suficiente para comprá-lo de volta. Cada vez que você perde um, o preço para recuperá-lo aumenta. Aqui está uma das armadilhas do jogo. Se você não planejar com antecedência, essas características começarão a custar-lhe seus pecadores e, portanto, sua capacidade de criar sofrimento e continuar sua expansão.

 

O objetivo final de tudo que você cava e constrói é gerar sofrimento, que funciona como moeda. Já mencionei que qualquer coisa muito complexa exige mais do que sujeira para ser criada, como o balde de metal para os pecadores beberem, a latrina e assim por diante. As amenidades básicas que você pode obter não são boas para satisfazer as necessidades dos pecadores, mas funcionam. Você também pode obter amenidades melhoradas em troca de recursos e uma certa quantidade de sofrimento. Esses são mais caros, sim, mas eles fazem um trabalho melhor em elevar as estatísticas dos pecadores, com efeitos mais duradouros.

 

 

Tanto os gráficos quanto o áudio são bons, o charme do jogo são os efeitos visuais e sonoros das animações. As animações dos pecadores sendo torturados são engraçadas e “fofas”, embora às vezes possam ser perturbadoras. Nada para perder o sono, mas você pode querer desenvolver um senso de humor mais sombrio, se ainda não tiver um. Os sons fofos que eles fazem enquanto são torturados ou apenas geralmente ativos me lembram Happy Tree Friends. O jogo é principalmente engraçado e pode ser apreciado na forma como os pecadores saem calmamente de suas respectivas câmaras de tortura para se aliviarem ou tomarem uma bebida, apenas para voltar e se submeter à tortura mais uma vez.

 

Confira a gameplay realizada pelo canal Com Noção do jogo Hell Architect abaixo:

 

 

Hell Architect
Nota Final
9.5/10
9.5/10
  • Gráficos - 9.5/10
    9.5/10
  • Jogabilidade - 9/10
    9/10
  • História e Diversão - 10/10
    10/10
  • Áudio e Trilha Sonora - 9.5/10
    9.5/10
Sending
VOTAÇÃO POPULAR ➡️
5 (1 vote)

CONSIDERAÇÕES FINAIS

O jogo é muito bom e vai render várias horas de diversão e gameplay, mas como citei no início do texto, para quem não curte este tipo de humor, não recomendo o jogo. Mas para quem curte um humor ácido e gosta de ver uma tortura fofa, vai adorar e recomendo demais.