Análise do filme live-action de ‘Mulan’

0
93

 

Desonra?…Ao contrário, uma Honra!

 

Todas as live-action da Disney criam na maiorias das pessoas uma grande expectativa, muitos adultos ficam com os olhos brilhando esperando que o filme  seja IDÊNTICO aos desenhos que quando criança teve a oportunidade de assistir em VHS, porém, no caso de ‘Mulan’, você deve saber que desta vez a Disney trouxe a história da lenda de Hua Mulan (Liu Yifei) — cujo nome significa “flor” (Huā) e “magnólia” (Mùlán) – então… assista com o coração aberto porque do desenho (aquele que você assistiu em 1998…só tem a base da história mesmo…), com um orçamento investido de US$ 200 milhões, é atualmente o remake mais caro da Disney … mas valeu a pena.

 

 

A versão live-action de ‘Mulan’ estreou finalmente nesta sexta-feira (4), mas, devido a pandemia do COVID-19 não foi nos cinemas e sim na plataforma de streaming da Disney (Disney+). Essa foi a maneira inovadora para não adiar ainda mais a estreia já que ainda não há uma definição da abertura total dos cinemas.

 

Dirigido por Niki Caro, ‘Mulan’ traz a história de uma jovem mulher que além da obediência tem um amor imenso pelo pai Hua Zhou (Tzi Ma) e pela família, por eles ela é capaz de tudo. Destemida e com um “CHI” (força vital) muito forte, ela decide ir para a guerra no lugar do seu pai que assim que recebeu a convocação, mesmo debilitado ele resolve ir por não ter um filho e sim duas filhas. Partindo para se apresentar, Mulan se veste de soldado assumindo a identidade de Hua Jun e faz de tudo para não perceberem no campo de treinamento que na verdade é uma mulher (inclusive evita ao máximo banho rs).

 

 

É no campo de treinamento que ela conhece Cheng Honghui (Yoson An) que a principio sempre cria maneiras de irritar Mulan mas com o convívio ele acaba gostando dela (primeiro como amigo e assim que ela revela quem é…como mulher).

 

 

Se comparar ao desenho você perceberá que tem algo que lembra, mas de certa forma é colocado de forma diferente: a cena da casamenteira é curta e mais séria, a parte do banho no campo de treinamento é um momento tenso e só vai Cheng aonde Mulan pede que ele se afaste, as brincadeiras e piadas dos soldados são fracas, não há cenas dos ancestrais em reunião falando sobre Mulan, e Mushu (o dragãozinho do desenho) é substituído por uma Fênix que Mulan vê nos momentos em que pensa em desistir, a avalanche de neve tem e eu particularmente achei incrível! O imperador (Jet Li) agradecendo e honrando Mulan no final…e se você é fã mesmo, vai ver que a trilha sonora é: do desenho!

 

Mulan até tenta falar com o comandante Tung (Donnie Yen – depois de ‘Rogue One’…sou muito fã rs) quem ela é mas ele ao ver ela em ação pois ela supera todos os outros soldados. Aliás com o elenco oriental e se passando na antiga China, os apaixonados por filme antigo de artes marciais terão a oportunidade de assistir ótimas cenas e em cenários maravilhosos. Por isso repito, o filme não é infantil como o desenho…pode se arriscar!

 

 

Outra diferença é que o imperador vai para a batalha também contra seu inimigo Bori Khan (Jason Scott Lee) – esse sim, ficou igualzinho ao do desenho. E é Mulan que salva não só o império como também a vida do imperador.

 

Eu amei o filme, tem uma história muito bonita que  mostra o amor de uma filha a família, não houve uma forçada em querer se igualar ao desenho e foi muito fiel a história da lenda de Hua Mulan que habita o imaginário dos chineses desde a Dinastia Tang (618-907), quando a guerreira foi descrita no poema A Balada de Mulan, do século VII.

 

Super recomendo!

 

Ainda não há previsão de estreia do filme ‘Mulan’ no Brasil, mas… confira o trailer abaixo: