Análise da 2º temporada de (Des)encanto

0
39

 

A 2º temporada da série animada (Des)encanto estreou no último dia 20 no Netflix e desta vez podemos ver seu criador, Matt Groening, ficou mais a vontade com a plataforma.

 

 

Enquanto na 1º temporada o autor se preocupou em criar uma série com começo, meio e fim, como qualquer série comum da plataforma de streaming, desta vez Groening fez com que cada episódio fosse em partes, único, mas sem deixar a história principal se perder.

 

Só continue lendo este artigo caso aceite spoilers, senão, melhor voltar aqui depois que terminar de assistir a 2º temporada de (Des)encanto no Netflix!

 

Na 1º temporada podemos conhecer cada personagem de (Des)encanto, seus costumes, vícios e como conversam entre si, tendo como foco principal a busca da Princesa Bean por saber quem realmente ela é e o que aconteceu com sua mãe. Já na 2º temporada, após encontrar sua mãe e achar que ela era uma boa pessoa, logo de cara ela percebe que não é bem assim…

 

Logo nos primeiros episódios desta nova fase a Rainha Dagmar se mostra uma tremenda FDP e foi ela que causou os maiores estragos da série, e que teve a Bean por um propósito maior, que acreditamos ser meio egoísta…

 

 

Os episódios seguintes são bem legais focando em coisas bem diferentes, inclusões de novos personagens e criando pequenas histórias sobre outros que já estavam até meio esquecido, como o Derek, o meio irmão de Bean, que até se torna Rei nos últimos episódios! Outras histórias legais estão na temporada, como a da busca do Rei Zog por um novo amor, já que a Rainha Dagmar se mostrou má e foi embora e a Oona se encontrou como uma pirata. Há também um episódio mostrando como reviveram o pequeno Elfo, que estava de boa no céu conversando com Deus, mas pelo seu amor a Bean trocou o céu pelo inferno e foi resgatado (acreditem!) pelo Luci (que agora se mostra não ser tão mau assim…)! Há outros episódios com referências fantásticas à outras obras de Matt Groening, como a que mostra uma vila distante muito evoluída na ciência, clara referência ao desenho Futurama, um dos meus favoritos do autor.

 

Outro ponto a ser levado em questão é a liberdade que os dubladores tiveram para acrescentar piadinhas, memes e frases que só brasileiros falam. Os espectadores podem esperar para rir muito de coisas que só brasileiros entendem, como os bordões do Faustão que estão incluídos em certo episódio e até o “jeitinho brasileiro” está marcado nesta temporada.

 

Mesmo tendo episódios que parecem não se ligar muito ao outro, a temporada consegue chegar no fim bem legal e deixar aquele “gostinho de quero mais”. É uma série onde o espectador não pode ter muita expectativa quanto a dramaticidade ou profundidade de história, mas pode ter certeza que conseguirá rir muito enquanto assiste.

 

A 2º temporada de (Des)encanto já está disponível no Netflix. Confira o trailer: