Análise do filme live-action Aladdin

“Você nunca teve um amigo assim!”

0
60

 

Assistimos o novo Aladdin em versão live-action e vamos detalhar nesta análise o que você poderá encontrar no filme.

 

 

A live-action lançada dia 23 de Maio, (re)conta a estória de um jovem humilde, Aladdin (Mena Massoud) que descobre uma lâmpada mágica, com um Gênio (Will Smith) que pode lhe conceder três desejos. Agora o rapaz quer conquistar a moça por quem se apaixonou, mas o que ele não sabe é que a jovem é a Princesa Jasmine (Naomi Scott) que está prestes a se noivar. Agora, com a ajuda do Gênio, ele tenta se passar por um Príncipe para conquistar o amor da moça e a confiança de seu pai, porém terá que além disso enfrentar o vilão Jafar (Marwan Kenzari).

 

A mais nova live-action da Disney, foi dirigida por Guy Ritchie (sim, o ex de Madonna) e podemos dizer que a expectativa foi superada, pois quem teve a oportunidade de ver Aladdin de 1992 em desenho, desta vez conseguiu sentir nostalgia e ao mesmo tempo se surpreender com novas músicas e algumas adaptações em algumas cenas. O ator Mena Massoud conseguiu trazer o Aladdin do desenho em forma humana mas Jasmine ficou um pouco longe da aparência da Princesa que as pessoas conheciam, mas Will Smith como Gênio foi uma atração à parte, espetacular desenvoltura dele! Não só interpretou mas dançou, cantou (sem perder o estilo RAP dele) de forma que aquele Gênio do desenho não se perdesse no jeito cômico em uma versão mais moderna.

 

Lembrando que este artigo pode contar alguns spoilers (pouca coisa para que você não perca a emoção do filme, garanto!), portanto, só continue a ler se estiver certo disto.

 

Em comparação ao desenho de 1992, o novo Aladdin tem mais cenas de ações, novas músicas, uma Princesa Jasmine mais engajada, preocupada com seu povo. Ela e Aladdin se comunicam mais, ou seja, não ficam só nas declarações de amor e sendo assim ela ganha um final digno de sua personalidade (muito bem demonstrada através da música “Ninguém me cala”). Confira a música abaixo:

 

 

Houve críticas a respeito da escolha da atriz para a interpretação, já que Naomi Scott é uma atriz britânico-indiana e a Princesa Jasmine é árabe. Houve quem torcesse o nariz também para a dublagem do personagem Jafar, acostumados a ouvir no desenho uma voz mais envelhecida e mais grossa (feita pelo dublador Jorgeh Ramos, falecido em 2014), a dublagem da live-action (feita pelo dublador Marcelo Campos) soou um pouco estranha.

 

O Gênio é um espetáculo à parte, diferente em algumas ações do desenho, o Gênio de Will Smith é mais humanizado, ele tem desejo de realmente se tornar humano e… se apaixona! A ponto de ele e a criada/amiga de Jasmine, Dalia (Nasim Pedrad) – esta por sinal ajudou no toque cômico do filme… prestem atenção nela! – ficarem juntos, com o Gênio sendo o contador de histórias para seus filhos e assim dando início a toda narrativa.

 

 

Para finalizar, o filme termina com uma brechinha que (se eles quiserem), poderão continuar a história… já que Jafar na sua ira deixa entender que ele voltará.

 

O filme é uma ótima sugestão para toda a família, tem humor, ação e romance… do jeitinho que gostamos!

 

 

O filme Aladdin estreou no dia 23 de Maio e está em cartaz nos cinemas de todo o Brasil. Confira o trailer do filme abaixo: