Final do CBLoL 2020: INTZ leva a melhor sobre paiN Gaming e garante pentacampeonato

0
39

 

Aconteceu no último sábado (5) a final do 2º Split do Campeonato Brasileiro de League of Legends, o CBLoL, entre paiN Gaming e INTZ. Em mais um admirável trabalho de organização da Riot Games, respeitando todos os protocolos de prevenção ao COVID-19, os jogadores dos dois times puderam se encontrar em São Paulo (pela primeira vez desde março) para trazer um pouco de alegria àqueles que acompanham o cenário competitivo de LoL com tanta paixão. Como era de se esperar, os jogadores entregaram ao público uma “melhor de cinco” emocionante e garantiram mais um pouco de beleza ao já bonito espetáculo.

 

INTZ leva a melhor sobre paiN Gaming e garante pentacampeonato

 

No primeiro jogo do confronto entre duas das mais tradicionais equipes brasileiras de League of Legends, o time da INTZ conseguiu sair na frente. Na transmissão, Ygor “RedBert” Freitas – o support da INTZ – foi eleito o melhor jogador da partida após ter dado um triple kill em um tower dive mal sucedido da paiN, mas foi o jungler Diogo “Shini” Rogê quem levou a INTZ à vitória no primeiro jogo. Após sofrer um first blood no início do jogo, Shini resolveu fazer a diferença e manteve controle total sobre todos os objetivos do jogo, dando vantagem importantíssima para seu time.

 

 

No segundo jogo, a paiN tentou repetir a estratégia que já tinha falhado no primeiro game e se deu mal mais uma vez. O time conseguiu alguma vantagem no início da partida, mas não soube aproveitar de maneira eficiente. Enquanto isso, Shini fazia mais uma belíssima partida – controlando todos os objetivos do jogo – mas dessa vez ao lado de seu midlaner Bruno “Envy” Farias (que jogou com a sua Ahri “assassina”). Aos 40 minutos de jogo, em meio à uma teamfight dramática, a INTZ roubou o dragão ancião que a paiN tentava emplacar e conseguiu levar a partida sem muito esforço adicional.

 

Depois de abrir 2 jogos à zero na melhor de cinco, a INTZ podia ser campeã com apenas mais uma vitória. A paiN precisava acordar, e foi isso o que aconteceu. A botlane formada pelo velho-de-guerra Felipe “BrTT” Gonçalves e seu support André “esA” Pavezi foi a responsável por colocar o time da INTZ pra “rexpeitar”. O time da paiN dominou a partida e, com apenas 20 minutos de jogo, BrTT deu um belíssimo triple kill, que rendeu um barão e o segundo dragão ao seu time (nesse momento, o time de BrTT já tinha levado também um arauto e outro dragão). Vitória fácil da paiN Gaming: 2×1.

 

Felipe “BrTT” Gonçalves compete profissionalmente no LoL desde antes do primeiro CBLoL em 2012 e já participou de dois campeonatos mundiais (em 2015 e 2019). – Foto: Riot Games.

 

No quarto e último jogo da série, a INTZ veio com força total. Nos áudios da partida, a paiN parecia querer jogar de forma agressiva, mas o que vimos foi o oposto: o Sylas do midlaner Envy, juntamente com o apoio do Volibear de seu amigo Shini, acabou rápido com o jogo do midlaner da paiN Gaming, Thiago “tinowns” Sartori. Aos 10 minutos de jogo, tinowns já havia morrido 4 vezes e a INTZ capitalizava não apenas com as kills, mas também com objetivos maiores, como dragão e torres. A vitória fácil da INTZ garantiu não apenas o quinto título da equipe no CBLoL, mas também a vaga para participar do Worlds 2020 (o campeonato mundial de LoL que acontecerá neste ano em Xangai, na China, entre os dias 25 de setembro e 31 de outubro). Como sabemos, o Brasil nunca teve um bom desempenho nos campeonatos internacionais e, no ano passado, a própria INTZ já teve problemas no Mid-Season Invitational, perdendo 5 dos 6 jogos que jogou.

 

O troféu “iluminado” do CBLoL. – Foto: Riot Games.

 

Na coletiva de imprensa que aconteceu logo após as partidas, o treinador da INTZ, Lucas “Maestro” Pierre, fez questão de destacar o papel do e-sport como transformador de vidas. Shini e seu colega Micael “Micão” Rodrigues, por vez, fizeram questão de destacar a amizade entre os jogadores da equipe e a confiança para esta nova etapa. Shini disse também que “a torcida (brasileira) já começa desacreditada sobre como os times representarão o país lá fora”, mas que “dessa vez o time todo (da INTZ) está focado para fazer diferente e melhor”. À nós, resta esperar que Maestro esteja correto: que o e-sport não transforme apenas a vida das pessoas que o assistem, mas transforme também a trajetória destes jogadores. A INTZ leva hoje o troféu do CBLoL para casa e a gente leva a esperança de ver o Brasil sendo bem representado no campeonato mundial. Ficaremos ligados!